Pular para o conteúdo principal

Siga por email

Pretendo ser médica.

0
A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a palavra "saúde" como "estado de completo bem-estar físico, psicológico e social e não apenas a ausência de doença". Seguindo a premissa, a Medicina  não se resume a um meio para a cura de doenças, sendo também responsável pela propagação do bem-estar. "É preciso ter a clara noção de que o médico é um instrumento de transformação social. A sua atuação na promoção da saúde permite modificar os indicadores de desenvolvimento de um país", diz o médico fisiatra Cláudio Balduíno Souto Franzen, presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers). Seja qual for a especialização, algumas características não podem faltar a quem abraça a Medicina , como dedicação e interesse.O profissional deve permanecer atualizado sobre novas drogas, terapias e equipamentos. No dia adia, o médico faz diagnóstico, analisa exames, receita medicamentos e faz cirurgias. Ele participa ainda de programas de prevenção e de planejamento de saúde coletiva. O mercado de trabalho vem se abrindo com áreas novas em segmentos como genética e estudo sobre os mecanismos da memória. "A busca por conhecimento deve sercontínua, sem esquecer do respeito, da ética e do humanismo, características fundamentais para alcançar o sucesso", afirma Cláudio Balduíno.

O mercado de trabalho

Nunca falta trabalho para um médico. Há oportunidade sem todo o país. No entanto, algumas regiões apresentam demanda maior por esses profissionais. Estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que 55% dos médicos brasileiros atuam em São Paulo, Minas Gerais e no Rio de Janeiro. No ranking que demonstra a proporção de médico por habitante nos estados, Rio de Janeiro e Distrito Federal empatam em primeiro lugar,com 292 habitantes por profissional. Os últimos colocados são Piauí (1.282), Pará (1.351) e Maranhão (1.786). Devido aos esforços do governo federal para reverter essa situação no Norte e no Nordeste, os estados dessas regiões vem oferecido mais vagas, principalmente por intermédio do Programa Saúde da Família (PSF). Quem estiver disposto a abdicar do conforto e da infraestrutura das metrópoles encontrará nas regiões mais afastadas trabalho e boa remuneração. "O profissional que escolhe uma área carente do Brasil consegue, geralmente, além de maior êxito financeiro, mais qualidade de vida do que aqueles que optam pelos grandes centros", afirma Claudia Maria Leite Maffei, coordenadora do curso de Medicina da USP, em Ribeirão Preto (SP). Em todo o Brasil também há oportunidades para os graduados que querem se dedicar à formação de outros alunos de Medicina e à pesquisa. O aumento na proporção de idosos na população é um fator que promete aqueceras áreas de cardiologia e geriatria, sobretudo em cidades de médio e grande portes. O mercado está atraente, ainda, para a área de medicina do trabalho e para alergistas, em regiões com grande concentração industrial.

O curso

O currículo é puxado, o período é integral e há seminários e pesquisas, além dos plantões em hospitais. Nos dois primeiros anos, o aluno aprende matérias básicas, como anatomia e patologia.Boa parte das instituições de ensino oferece disciplinas práticas no início do curso para que o aluno vá se familiarizando com as atividades. Lidar com pacientes, só a partir do terceiro ano, nas disciplinas profissionalizantes e no treinamento em atendimento. Os dois anos de residência médica, depois de formado, são para o graduado se especializar. A duração média do curso é de seis anos. 
Vida de Estagiario - Medicina http://www.youtube.com/watch?v=C8sHaNGz4BQ


O que você pode fazer - Diagnosticar e tratar doenças nas seguintes especialidades:

Acupuntura
Aplicação de agulhas.
Alergia e imunologia
Mecanismos de defesa do organismo.
Anestesiologia
Aplicação de anestésicos.
Angiologia e cirurgia vascular
Artérias e veias. 
Cancerologia
Câncer.
Cardiologia
Coração 
Cirurgias
Cardiovascular, de cabeça e pescoço, geral, do aparelho digestivo, pediátrica, plástica e torácica.
Clínica médica
Organismo em geral.
oloproctologia
Aparelho digestivo final.
Dermatologia
Pele.
Endocrinologia e metabolia
Distúrbios hormonais e de metabolismo. 
Gastroenterologia
Sistema digestório. 
Genética médica
Doenças genéticas. 
Geriatria e gerontologia
Moléstias do envelhecimento. 
Ginecologia e obstetrícia
Aparelho reprodutor feminino, gravidez e parto.
Hematologia e Hemoterapia
Sangue, seu uso terapêutico ou de seus componentes.
Homeopatia
Clínica geral que utiliza medicamentos preparados a partir de substâncias naturais.
Infectologia
Doenças infecciosas.
Mastologia
Glândulas mamárias.
Medicina esportiva
Prevenir e tratar distúrbios originados de atividade esportiva. Dar orientação médica e acompanhar equipes e times.
Medicina geral e comunitária
Atuar na prevenção, na cura e na reabilitação de pacientes em conjunto com equipe multiprofissional (com enfermeiro, assistente social e psicólogo). 
Medicina legal
Realizar autópsias, exames de DNA e de corpo de delito. Dar suporte à investigação de crimes.
Medicina sanitária
Desenvolver e aplicar programas de saúde pública. Prevenir a transmissão de doenças e prescrever tratamentos.
Medicina do trabalho
Prevenir e tratar doenças causadas pelo ambiente de trabalho ou por práticas profissionais. 
Nefrologia
Moléstia dos rins.
Neurologia e neurofisiologia
Distúrbios do sistema nervoso.
Nutrologia
Nutrição.
Oftalmologia
Olhos.
Ortopedia e traumatologia
Ossos e músculos.
Otorrinolaringologia
Ouvido, nariz, boca e garganta.
Patologia e patologia clínica
Exames laboratoriais.
Pediatria
Crianças.
Pneumologia
Pulmões.
Psiquiatria
Doenças mentais.
Radiologia e diagnóstico por imagem
Exames radiológicos e diagnóstico por meio de imagens.
Radioterapia
Tratamentos por meio de radiação.
Reumatologia
Cartilagens e articulações.
Terapia intensiva
Tratamento intensivo de pacientes. 
Urologia
Vias urinárias.

Postado por: @fernandarigon no antigo blog do dicasdegarota.

Comentários