Uma caixinha de surpresas

Sempre que eu me deparo com um acontecimento inesperado, me pego dizendo uma frase, usada, se não me engano, por um humorista brasileiro. Ele diz que “a vida, essa sim, é uma caixinha de surpresas”. Taí uma coisa muito divertida e da qual eu acho que vale a pena falar, especialmente nesse período em que nos despedimos de um ano para receber outros 365 dias novinhos em folha.


Você, como eu, deve ter tido algumas surpresas desagradáveis em 2011. Mas tenho certeza de que também vai cantar aquela musiquinha em que diz adeus ao “ano velho” relembrando um montão de coisas boas que rolaram, muitas delas sem o mínimo esforço da sua parte, quase como obra do acaso. Pode ser uma garota que você detestava – ou achava que detestava – e que virou uma grande amiga, do nada. Ou a oportunidade de uma viagem que não estava nos planos. Ou a ficada com um garoto em quem você não apostava nenhuma ficha e que foi uma curtição só. Pois é, às vezes é de onde menos esperamos que vêm as tais surpresas, especialmente as boas.


E é justamente essa falta de controle sobre o que vai nos acontecer amanhã que dá graça aos nossos dias. A gente sonha, faz planos, bola estratégias mirabolantes para alcançar o que desejamos. Mas, muitas vezes, morremos na praia e os rumos que a vida toma mudam completamente a nossa direção. Tipo: passamos meses de olho num menino, até ficar com ele. Mas, quando tudo parece estar conspirando a nosso favor, o bofe resolve sumir. O que sobra é aquela tristeza, uma sensação de derrota que é de matar. Mas, no dia seguinte – ou talvez algumas semanas ou meses depois –, acabamos percebendo que aquela história não poderia ter tido um desfecho melhor. E um outro garoto muito mais interessante aparece e, sem que a gente se dedique tanto a impressioná-lo, a química simplesmente acontece. Naturalmente.

Então, aproveitando que mais um fim de ano se aproxima e que o momento é de espantar o baixo astral, que tal pensar mais nesses presentes que recebeu da vida e menos naquelas expectativas que, no fim, não deram em nada? Esqueça os romances que podiam ter sido, as festas que você perdeu, os enganos que cometeu, consigo mesma e com os outros. Tente lembrar só das boas surpresas, daquelas vezes em que você pensou “não acredito que isso está acontecendo mesmo!”, com um baita sorriso nos lábios. Se forçar a memória, vai resgatar vários momentos desses, nem sempre provocados por um grande acontecimento, mas que têm a ver com os pequenos prazeres do dia a dia. Juntando todas essas conquistas – umas maiores, outras, nem tanto, vai ver que 2011 não foi tão ruim. E que vale a pena começar 2012 com tudo em cima, desencanada de fazer tantos planos e mais aberta para acolher o que a vida tem a lhe oferecer. Pode apostar que muitas experiências boas, alegrias e aprendizados estão reservados logo ali, no futuro, pra você. Alguns vão surgir na sua vida de modo inesperado, o que os deixará ainda mais interessantes.
Se não deu certo neste ano que passou, é porque não era esse o melhor caminho mesmo. Acredite: o melhor ainda está por vir! Então, bora receber esse ano novo de braços, olhos e coração bem abertos!

Texto original de Rita Trevisan.

5 comentários

  1. Amei esse post o assunto de hoje foi bem legal e interessante tô te esperando até a proxima.

    ResponderExcluir
  2. Amei o blog
    http://made4women.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Super post!
    Angela Donava
    http://www.lookbooks.fr

    ResponderExcluir
  4. J'aime ton blog!!!!! Bisous:)


    Angela
    http://doigt.net

    ResponderExcluir
  5. adorei sei blog e estou te seguindo :)Sou a Príscila do www.garotadesaltorosa.com
    Beijocas e parabens pelo blog.

    ResponderExcluir