Ao seu lado.

Foto retirada do Tumblr
Eu despertei devagar depois dos primeiros raios de sol cruzarem os panos da cortina que não o seguravam, sentindo o pesinho gostoso do seu corpo no meu. Espero que essa sensação não mude. Esse seu cheiro bom e sua leveza. 

É engraçado como você sempre procura meu corpo durante a noite, mesmo que o seu lado preferido da cama seja o esquerdo e você durma olhando pra ele. Chega de manha, logo as seis, quando a gente tem que levantar para trabalhar, você tá lá, embrulhada em mim, do lado direito da cama. A king size que a gente comprou e dividiu em dezenas de parcelas foi um investimento, um que eu não me arrependo de forma alguma.

Acho a sua falta de noção de espaço um charme, mesmo que isso resulte em um canto mínimo para mim. Se fosse a nossa antiga cama, a gente ia acabar no chão. A king size resolveu esse pequeno problema que eu modestamente, não chamaria assim. Não tô reclamando, longe de mim. Já disse que depois da sua mente e seu coração, seu corpo é o que eu mais cobiço. E ter ele perto de mim é sempre bem vindo. 

Eu lembro quando te vi pela primeira vez. Você descendo a escada rolante na saída do metrô na estação Butantã, com uma cara de perdida e ao mesmo tempo deslumbrada. Com uma mochila na costas e uma camisa xadrez enfiada nas alças. Eu te observei descer e no meio do seu reconhecimento da área, seu olhar encontrou o meu e eu não pude evitar sorrir. Você desviu o olhar mas eu o manti. 

Eu lembro que quando terminou de descer as escadas, seguiu em direção ao lugar que eu estava, sem me olhar realmente e não sei porque, meu coração deu um salto. Você chegou, sorriu e disse "Oi, desculpa incomodar, mas você sabe me dizer como chegar ao portão quatro da USP?" e claramente eu sabia. Minha camiseta preta com a logo da USP escrita em letras garrafais brancas me denunciaram e me fizeram te levar até lá. Fui sem esconder o meu contentamento. Eu chamei a sua atenção e você chamou a minha. A ideia de passar mais tempo contigo me agradou e agrada até hoje.

O caminho até lá foi bem curto e precisamos só de um ônibus, nesse meio tempo eu descobri que você na verdade procurava a sede da empresa que ia para fazer um treinamento, que era a primeira vez que vinha a São Paulo, que morava longe, que voltaria logo para casa, que estudava jornalismo, que gostava de Jazz e filmmaking tanto quanto eu e foi aí que constatei que precisava te ver de novo. 

Com números e redes sociais trocados, a gente se abraçou e você atravessou a rua com a promessa de nos vermos durante o almoço, no dia seguinte. 

Hoje, faz cinco anos desde aquele encontro que não nos prometia nada e, acordar ao seu lado me faz perceber que o destino não precisa realizar grandes façanhas para unir as pessoas. A gente enfia nosso dedo no meio porque não dá para deixar tudo a cargo dele. E que vale a pena, cada micro momento, ação, sentimento se for para garantir que essa sensação gostosa que é ter você comigo, não vá embora nunca.

Por Joyce 

2 comentários

  1. Que texto lindo! Tô apaixonada, você escreve muito bem viu? *-*
    e o blog de vocês é a coisa mais linda do mundo, acho que um dos layouts e blogs que mais amei até hoje ♥♥♥ mt amooor

    beijo lindaas!!
    www.universomultiplo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Tay, fico muitíssimo feliz que você tenha gostado, tanto do nosso blog quanto do post! <3
      Seu blog é a coisa mais linda ever!

      Excluir